• Dr. Alejandro Zoboli

Formigamento nas Pernas e Pés. Porque??


Muitas pessoas apresentam a queixa de formigamentos nas pernas e pés. Boa parte delas relacionam esta queixa principalmente a ficar muito tempo em pé, andar longas distâncias e uso de determinados padrões de calçados. Entretanto, existem diversos fatores que podem levar ao formigamento nas pernas e pés e muitos deles podem se relacionar a doenças sistêmicas ou outros problemas de saúde.

A sensação de formigamento em ambos os pés, não associado ao caminhas, por exemplo, pode estar relacionado à neuropatia diabética; o formigamento ao caminhar longas distâncias e que melhora rapidamente ao repousar, por estar associado a problemas vasculares, e assim por diante.


Mas porque temos formigamentos nas pernas e pés?


Como explicado acima, existem diversos fatores e doenças que podem levar a tais sintomas. Abaixo seguem os mais frequentes:


- Polieuropatia Diabética (diabetes):

A polineuropatia diabética corresponde ao acometimento dos nervos sensitivos (principalmente) em decorrência das alterações metabólicas decorrentes do diabetes mellitus. Desse modo, o diabetes acomete os nervos sensitivos, em um padrão chamado “bota e luva” (pés e mãos), geralmente simétrico e progressivo. Tal acometimento leva o paciente a apresentar diminuição da sensibilidade dos pés, formigamentos e eventualmente quadros de dor local.


- Insuficiência Vascular:

Pacientes com insuficiência vascular, isto é, deficiência no aporte sanguíneo ou na drenagem de sangue de determinado membro, normalmente pode apresentar queixas de formigamento. Normalmente trata-se de um formigamento nos membros inferiores, associado e exacerbado por atividades como caminhar e correr e que melhora rapidamente ao repouso. Muitas vezes, nesses pacientes a queixa de formigamento vem acompanhado de outros sinais como edema nas pernas e pés e presença de varizes.


- Hérnia de Disco:

As hérnias de disco correspondem a uma degeneração do disco intervertebral, de modo que seu conteúdo muitas vezes entra em contato com as raízes nervosas que saem da coluna, causando uma compressão local e consequentemente diferentes tipos e graus de sintomas neurológicos. Normalmente nesses casos o paciente apresenta dores lombares que irradiam para um ou mais membros inferiores acometendo a coxa, perna e pé (não necessariamente todo o segmento). Além da queixa dolorosa e sensitiva, muitos pacientes, em casos mais graves, apresentam também comprometimento motor, com algum grau de déficit de força.


- Mau posicionamento do corpo:

Quem nunca teve formigamento nas pernas após ficar muito tempo com as pernas cruzadas e formigamento nos pés após usar um calçado apertado por muito tempo? Pois bem, o mau posicionamento do corpo pode levar a uma compressão externa de algum nervo sensitivo e resultar em formigamentos nos pés e pernas. Apesar de desconfortável, essa é uma situação transitória, melhorando normalmente em minutos e portanto benigna.


- Traumas

Traumas nos membros inferiores como contusões ou entorses podem levar à sensação de formigamento local. Isso pode ocorrer pelo próprio processo inflamatório local gerado a partir do trauma (que leva a dor e edema local) ou por algum grau de traumatismo direto sobre algum nervo sensitivo. Assim como na situação anterior, o formigamento causado por traumas tende a ser também passageiro e melhora a medida que os outros sintomas como inchaço e dor melhoram.


Outras situações menos comuns como esclerose múltipla, síndrome de Guillain-Barre, crises de pânico e ansiedade também podem levar a sintomas de formigamentos nos membros inferiores e merecem também um tratamento específico.


Como proceder caso tenha os sintomas acima?


Normalmente, o formigamento nas pernas e pés, são sintomas leves/moderados e de característica crônica. Desse modo, é importante o paciente tentar entender o local dos sintomas, qual o período do dia em que os sintomas são piores, quais os fatores de melhora e piora e se podem ter alguma relação com alguma condição pré-existente. Com essas informações, associadas a uma boa anamnese e exame físico por parte do ortopedista especialista em pé e tornozelo, cirurgião vascular ou neurologista, é possível fazer o diagnóstico adequado e iniciar o melhor tratamento.




7 visualizações

Posts recentes

Ver tudo